Walter Benjamin
30 de Abril de 2012 ⋅ Teses de filosofia

A origem da novidade

Luís Raposo Pena
O Salto do Novo: A Mancha em Walter Benjamin como Origem da Novidade, de Luís Raposo Pena
Supervisão de Américo Pereira
Dissertação de Mestrado
Universidade Católica Portuguesa
Lisboa, 2012, 68 pp. (22 239 palavras)
Puxar

Como acontece o novo? Não o novo da combinatória de elementos pré-existentes ou da inovação técnica, mas o absoluto da novidade, o “aqui e agora”, sem nome e sem forma, que se manifesta na apresentação de mundo. Este é o propósito desta dissertação: tentar pensar o novo. A aproximação que efectuamos parte da valorização do texto de juventude de Walter Benjamin, datado de 1917, “Sobre a Pintura ou Sinal e Mancha”. Com base nos conceitos radicais aí apresentados de mancha e sinal, que consideraremos como marcas do “aparecimento”, defenderemos que o novo é manifestado através de uma mancha; caberá ao pintor a sua justa nomeação segundo o processo de composição. Depois, veremos qual a relação da mancha com a linguagem: mancha que ao ser nomeada se inscreve num sistema de sinais; mancha que origina obra criada, sobre a qual um conjunto sucessivo de traduções irá dando conta do eco desse absoluto que aconteceu. Finalmente, abordaremos o impacto da obra na esfera social: como é que o autor que toma consciência da sua faceta de produtor poderá ter um papel na mudança da organização política.

Luís Pena é licenciado em informática, profissional de telecomunicações.

Luís Raposo Pena
luis.raposo.pena@gmail.com
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte