António Damásio
14 de Abril de 2012 ⋅ Teses de filosofia

Damásio, dualismo e medicina

Márcia de Fátima Barbosa de Sousa
A Superação do Dualismo Cartesiano em António Damásio e sua Contribuição para as Concepções e Práticas Médicas Ocidentais, de Márcia de Fátima Barbosa de Sousa
Supervisão de Alfredo Dinis, S.J.
Dissertação de Mestrado
Universidade Católica Portuguesa
Braga, Junho de 2007, 90 pp. (31 280 palavras)
Puxar

A presente dissertação divide-se em duas partes. Na primeira parte, é exposta a crítica de António Damásio ao dualismo cartesiano no que se refere à influência deste dualismo nas concepções e práticas médicas ocidentais bem como as consequências para a compreensão da doença e da prática da medicina. Na segunda parte, são abordadas outras concepções de autores não dualistas que afirmam a incorporação da mente: Francisco Varela, George Lakoff e Edith Stein.

Os neurocientistas, em geral, consideram que herdámos de Descartes uma visão mecanicista do mundo que fez com que o corpo humano fosse conceptualizado como um engenho cujas peças se encaixam ordenadamente e segundo um processo racional, uma máquina prodigiosa funcionando como um relógio de acordo com as leis matemáticas. Consideram também que o actual modelo biomédico se baseia na visão cartesiana do mundo. Curar a doença equivaleria, nesta perspetiva, à reparação da máquina.

António Damásio considera que é necessária uma renovação das práticas médicas que não secundarize a psicossomática sem negligenciar o tratamento da pessoa na sua individualidade psicofísica. Contra um reducionismo neuronal há que fazer a ponte entre a ciência e a experiência humana. Apesar de a neurobiologia não ter ainda uma explicação para as experiências subjectivas, porque existe uma variável que inevitavelmente lhe escapa, o ambiente, o que é certo é que Damásio acredita que é tudo uma questão de tempo.

Márcia de Fátima Barbosa de Sousa, é cidadã brasileira e encontra-se a residir em Portugal. Concluiu a licenciatura em Filosofia (via ensino) na Universidade Católica Portuguesa, Faculdade de Filosofia de Braga, em 1994. Em Outubro de 2000 inicia na mesma Faculdade a frequência do curso de mestrado em Filosofia: Axiologia e Ética (especialização em Bioética). Exerce atividade docente desde 1993 (estágio integrado) até à presente data. Leccionou Filosofia e Psicologia no ensino secundário e trabalhou como docente da Educação Especial durante nove anos. Fez formação de formadores em 2004/2005 na Escola Secundária de Ponte de Lima onde se encontra a leccionar atualmente. Em 2006/2007 é-lhe concedida Licença Sabática e conclui a dissertação de mestrado. Publicou em 2008 na Revista Portuguesa de Bioética (Cadernos de Bioética) um artigo intitulado “Heróis na Fragilidade”. Em 2008/2009 frequentou o curso de formação avançada em Bioética no Instituto de Bioética sediado na Universidade Católica Portuguesa (Porto).

Márcia de Fátima Barbosa de Sousa
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte