Opinião

A libertação do pensamento

Desidério Murcho

A Via Optima publicou em Portugal a obra Libertação Animal, de Peter Singer. Filósofo australiano formado em Oxford e que ensina em Princeton, nos Estados Unidos, Singer é um dos maiores especialistas mundiais numa área da filosofia até agora praticamente desconhecida dos portugueses: a ética aplicada. Na obra Ética Prática, publicada entre nós pela Gradiva, Singer apresenta uma introdução a alguns dos temas tratados por esta área da ética: o problema dos direitos dos animais, o conceito de igualdade, o aborto, a eutanásia, a fome no mundo, os refugiados e os problemas ambientais.

Singer é um dos mais ilustres representantes da filosofia analítica — uma forma de fazer filosofia que recupera a tradição filosófica original, procurando pensar criticamente nos grandes problemas da filosofia, ao invés de nos limitarmos a fazer história da filosofia ou história das ideias, parafraseando acriticamente o que Kant ou Hegel disseram. A filosofia analítica é minoritária no nosso país, estando praticamente ausente das escolas secundárias e das universidades, que seguem uma tradição contrária ao espírito original da filosofia, substituindo a análise crítica pela citação abundante, o rigor argumentativo pelo jogo de palavras e a discussão de ideias pela associação livre das mesmas. Era bom que em Portugal houvesse a liberdade de escolher o tipo de filosofia que se quer ensinar e estudar.

Ao contrário do tipo de "filosofia" a que estamos habituados no nosso país, Singer não apresenta um texto cheio de trocadilhos, palavras caras, citações de grandes filósofos e associação selvagem de ideias. Apresenta vários argumentos a favor dos direitos dos animais; e discute os argumentos contrários. Argumentos claros, expressos numa linguagem simples, rigorosa e imparcial. A contrapartida deste tipo de filosofia é ser refutável, ser criticável, fazer as pessoas pensarem pela sua própria cabeça. Mas uma prática intelectual cujos resultados são insusceptíveis de crítica é uma má prática intelectual. E uma tradição filosófica em que não é possível errar porque tudo se baseia em jogos de palavras é uma má tradição filosófica.

Libertação Animal apresenta a filosofia na sua melhor tradição socrática, que sempre teve o objectivo de avaliar criticamente as nossas convicções mais enraizadas: "ao considerar o estatuto dos animais não humanos, a própria filosofia sofreu uma transformação notável: abandonou o conformismo confortável do dogma aceite e regressou ao seu antigo papel socrático" (p. 227).

Os professores de filosofia do ensino secundário têm agora à sua disposição duas obras acessíveis, rigorosas e altamente estimulantes para abordar no 10.º ano alguns dos problemas do mundo contemporâneo, tal como o programa prevê. E se os jovens aprenderem a pensar com clareza sobre estas questões nas aulas de filosofia, saberão pensar com clareza sobre quaisquer questões que a sua vida futura como cidadãos e profissionais lhes vai exigir. Com Peter Singer compreende-se o valor do pensamento claro e da filosofia — valor que só a filosofia de má qualidade, sem rigor nem disciplina lógica, pôde comprometer.

Desidério Murcho
desiderio@ifac.ufop.br
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte