Unschärfe IX, de Roland Bühlmann
22 de Abril de 2006 ⋅ Opinião

Vale a pena experimentar

Desidério Murcho
King's College London

Nesta crónica têm sido apresentados vários livros ainda não traduzidos, na esperança de chamar a atenção dos editores para livros cuja publicação em Portugal seria útil e comercialmente viável. Muitos desses livros, todavia, não chegarão talvez a ser traduzidos; e noutros casos os leitores não querem esperar anos pela tradução. É aqui que a Internet pode dar uma ajuda.

Surpreendentemente, muitos leitores desconhecem que podem comprar livros em segurança pela Internet, directamente da Inglaterra — sem ter, pois, de pagar taxas aduaneiras, como acontece com os livros que se encomendam dos EUA, nem elevados montantes em portes. E sem ter de esperar semanas, e por vezes mais de um mês, para receber o livro em casa.

As duas mais importantes livrarias inglesas na Internet que enviam livros para Portugal são a Blackwell's e a Amazon inglesa. Em ambos os casos, pode-se usar o cartão de crédito com toda a segurança. Ambas são eficientes, rápidas e responsáveis. Em ambos os casos, pode-se devolver os livros de que não se gostou, ou que eventualmente venham danificados. A Blackwell's é mais rápida quando tem os livros disponíveis para entrega imediata porque é uma cadeia nacional de livrarias reais e não apenas uma livraria virtual.

A única precaução que vale a pena tomar antes de usar estas livrarias é garantir que não tem vírus nem spyware no seu computador. Dois bons anti-vírus gratuitos são os conhecidos AVG e Anti-Vir; para eliminar o spyware a Ewido oferece um serviço online gratuito muito eficiente. Infelizmente, estes produtos existem apenas em língua inglesa.

Contactar com os melhores livros que se publicam no mundo, e que têm origem nas melhores universidades, é um passo necessário para vencer o proverbial provincianismo nacional. Antes da Internet, era necessário encomendar os livros estrangeiros nas livrarias portuguesas, a preços exorbitantes e com prazos de entrega apenas apropriados aos deuses do Olimpo. Além disso, não era possível saber o que se andava a publicar. Mas hoje, graças às boas livrarias da Internet, pode-se não apenas comprar os livros a preços mais acessíveis e com prazos de entrega apropriados a meros mortais, mas também ficar informado do que se vai publicando nas áreas do nosso interesse. Visitando não apenas as livrarias, mas os sites dos editores mais importantes, obtém-se informação inestimável sobre livros importantes. Livros que se fossem mais amplamente conhecidos, a generalidade dos erros dos manuais escolares (que a nova ministra, na sua presciência burocrática, quer eliminar por decreto) não existiriam porque os autores de manuais teriam fontes fidedignas em que se basear e modelos de bons manuais a seguir — e não as velhas notas com vinte anos que se tiraram nas aulas a que se assistiu na universidade, aulas que por sua vez eram dadas com base nas notas, amareladas pelo tempo, do professor.

Nesta coluna indica-se sempre o site do editor da obra escolhida. Nesses sites encontra-se geralmente a totalidade do catálogo do editor, devidamente organizado por áreas — filosofia, ciências da natureza, história, biografia, literatura, etc. Contudo, perante tanta oferta, é difícil saber por onde começar — e começar aleatoriamente é uma má ideia, pois não se deve ter a veleidade, igualmente provinciana, de pensar que tudo o que é estrangeiro é bom. É precisamente para orientar o leitor que esta coluna existe.

Desidério Murcho
desiderio@ifac.ufop.br
Publicado no jornal Público (7 de Janeiro de 2006)
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte