14 de Abril de 2007   História da filosofia

Passeios no jardim

Desidério Murcho
The Epicurus Reader: Selected Writings and Testimonia
org. por Brad Inwood e L. P. Gerson
Hackett, 1994, 111 pp.

Um dos mais modernos pensadores da antiguidade grega, Epicuro (341-270 a.C.) foi um caso raro de sofisticação filosófica e sabedoria de vida. Na verdade, na Grécia antiga os estudantes mudavam de escola para escola à procura da melhor — mas quando descobriam os jardins de Epicuro, não voltavam a mudar. Ler directamente os seus escritos permite-nos compreender porquê: a sua tranquila racionalidade e sensatez, a sofisticação da sua argumentação, que todavia consegue transmitir de forma simples, são ingredientes que não é fácil encontrar noutros filósofos.

Epicuro defendia uma vida de prazeres simples, mas não simplistas; era materialista e atomista; e procurava mostrar que a ansiedade torna as pessoas miseráveis, não havendo razões para cair nessa armadilha. Hoje em dia, a nova “psicologia positiva”, que procura determinar como se pode viver feliz, defende ideias semelhantes — mas hoje é preciso chamar-lhe “a ciência da felicidade”, para lhe dar um ar sério. A “Carta a Meneceu” é uma das mais citadas; nela, Epicuro defende que a morte não deve provocar-nos ansiedade precisamente porque depois de mortos nós não existimos e enquanto estivermos vivos, não estamos mortos. Devemos também a Epicuro uma das primeiras formulações do problema do mal: se os deuses são omnipotentes e bons e sábios, por que razão há tanto mal no mundo? Epicuro defendia que os deuses, se existem, se estão nas tintas para nós e portanto não vale a pena estarmos nós preocupados com eles.

Estritamente materialista, Epicuro destacou-se pela tolerância cognitiva e pela recusa de dogmatismo. Os seus escritos sobre astronomia, por exemplo, ou sobre outros fenómenos físicos, exploram as diferentes teorias da altura, mas sem se comprometer dogmaticamente com nenhuma: argumenta que em muitos casos não se sabe pura e simplesmente como as coisas realmente são.

A filosofia do período helenístico tem conhecido uma profusão de estudos recentes que rejeitam a ideia de que os pontos altos da filosofia grega foram Platão e Aristóteles. Inwood e Gerson têm sido incansáveis na divulgação deste riquíssimo legado injustamente esquecido. Este livrinho é um bom ponto de partida para a aventura de descobrir a imensa riqueza da filosofia grega.

Desidério Murcho

Recensão publicada no jornal Público (10 de Novembro de 2006)