Abril de 1997  

Visitar a filosofia

Que Quer Dizer Tudo Isto? Uma Iniciação à Filosofia
de Thomas Nagel
Tradução de Teresa Marques
Revisão Científica de Desidério Murcho
Gradiva, Novembro 1995, 92 pp.

Uma introdução elementar a 9 problemas filosóficos típicos, escrita num tom informal, claro e simples, mas rigoroso e preciso. O autor introduz tópicos de epistemologia e metafísica, filosofia da linguagem e da mente, ética e filosofia política, terminando com uma introdução a dois tópicos metafísicos gerais (o sentido da vida e o problema da morte). O Cap. 1 oferece ainda uma caracterização preliminar do género de problemas que são estudados pela filosofia.

Nagel defende que não é possível compreender os textos dos grandes filósofos sem que tenhamos percebido os problemas com que se debatem. Por isso, introduz directamente o leitor aos problemas da filosofia, nunca citando uma só vez um nome de um filósofo.

O título da obra refere-se à pergunta repetidamente formulada, sempre que se procura caracterizar um problema: que quer isso dizer? O leitor fica assim ciente da importância, central na filosofia, de procurar a formulação correcta dos problemas filosóficos, verificando a cada passo se estamos perante um problema genuíno ou não. As tentativas de solução dos problemas apresentados são cuidadosamente defendidas com argumentos claros. Geralmente, essas tentativas fracassam, pois o autor deseja mostrar por que razão as soluções mais óbvias falham.

Janelas para a Filosofia Janelas para a Filosofia (Kindle)

WookLivraria CulturaKindle

Todos os problemas abordados em Que Quer Dizer Tudo Isto? fazem parte dos programas do ensino secundário, pelo que esta obra constitui um instrumento crucial neste domínio. Mas a acuidade com que os problemas são colocados, o cuidado posto na clareza da argumentação e a importância central dos temas tratados tornam esta obra numa leitura obrigatória para os alunos do ensino superior e para o público interessado em conhecer um pouco mais os problemas da filosofia.

Este pequeno livro é talvez a melhor primeira introdução à filosofia que se pode ler. Esta obra não nos ensina o que pensou Platão, nem Aristóteles, nem Descartes, nem Kant; mas ensina-nos o mais importante: ensina-nos a pensar sobre os problemas filosóficos. E sem essa competência específica, é inútil aprender o que disseram os grandes filósofos do passado.

Excerto

As nossas capacidades analíticas estão muitas vezes já altamente desenvolvidas antes de termos aprendido muita coisa acerca do mundo, e por volta dos catorze anos muitas pessoas começam a pensar por si próprias em problemas filosóficos — sobre o que realmente existe, se nós podemos saber alguma coisa, se alguma coisa é realmente correcta ou errada, se a vida faz sentido, se a morte é o fim. Escreve-se acerca destes problemas desde há milhares de anos, mas a matéria-prima filosófica vem directamente do mundo e da nossa relação com ele, e não de escritos do passado. É por isso que continuam a surgir uma e outra vez na cabeça de pessoas que não leram nada acerca deles.

Este livro é uma introdução directa a nove problemas filosóficos, cada um dos quais pode ser entendido por si mesmo, sem referência à história do pensamento. Não discutirei os grandes escritos filosóficos do passado nem o contexto cultural desses escritos. O núcleo da filosofia reside em certas questões que o espírito reflexivo humano acha naturalmente enigmáticas, e a melhor maneira de começar o estudo da filosofia é pensar directamente sobre elas. Uma vez feito isso, encontramo-nos numa posição melhor para apreciar o trabalho de outras pessoas que tentaram solucionar os mesmos problemas.

A filosofia é diferente da ciência e da matemática. Ao contrário da ciência, não assenta em experimentações nem na observação, mas apenas no pensamento. E ao contrário da matemática não tem métodos formais de prova. A filosofia faz-se colocando questões, argumentando, ensaiando ideias e pensando em argumentos possíveis contra elas, e procurando saber como funcionam realmente os nossos conceitos.

A preocupação fundamental da filosofia é questionar e compreender ideias muito comuns que usamos todos os dias sem pensar nelas. Um historiador pode perguntar o que aconteceu em determinado momento do passado, mas um filósofo perguntará: “O que é o tempo?” Um matemático pode investigar as relações entre os números, mas um filósofo perguntará: “o que é um número?” Um físico perguntará o que constitui os átomos ou o que explica a gravidade, mas um filósofo irá perguntar como podemos saber que existe qualquer coisa fora das nossas mentes. Um psicólogo pode investigar como as crianças aprendem uma linguagem, mas um filósofo perguntará: “Que faz uma palavra significar qualquer coisa?” Qualquer pessoa pode perguntar se entrar num cinema sem pagar está errado, mas um filósofo perguntará: “O que torna uma acção boa ou má?”

Não poderíamos viver sem tomar como garantidas as ideias de tempo, número, conhecimento, linguagem, bem e mal, a maior parte do tempo; mas em filosofia investigamos essas mesmas coisas. O objectivo é levar o conhecimento do mundo e de nós um pouco mais longe. É óbvio que não é fácil. Quanto mais básicas são as ideias que tentamos investigar, menos instrumentos temos para nos ajudar. Não há muitas coisas que possamos assumir como verdadeiras ou tomar como garantidas. Por isso, a filosofia é uma actividade de certa forma vertiginosa, e poucos dos seus resultados ficam por desafiar por muito tempo.

Sobre o autor

Thomas Nagel é professor de Filosofia e Direito na Universidade de Nova Iorque e um dos mais reputados filósofos actuais. É membro da Academia Americana de Artes e Ciências e da Academia Britânica. As suas obras já foram traduzidas em dezoito línguas. É autor de algumas das mais importantes obras da filosofia contemporânea, como The Possibility of Altruism (1970), Mortal Questions (1979), The View From Nowhere (1986) e Equality and Partiality (1991). A Última Palavra (1997), obra publicada pela Filosofia Aberta, foi distinguida com o prémio “Outstanding Academic Book of 1997” da Choice. Publicou ainda Other Minds: Critical Essays, 1969-1994 (1995), que recolhe as mais importantes recensões do autor, e uma obra de introdução à filosofia para adolescentes, Que Quer Dizer Tudo Isto?, publicada na Filosofia Aberta. O influente jornal cultural britânico Times Literary Supplement chamou-lhe “o filósofo mais interessante dos nossos dias”.

Índice

  1. Introdução
  2. Como sabemos seja o que for?
  3. Outras mentes
  4. O problema da mente-corpo
  5. O significado das palavras
  6. livre-arbítrio
  7. Certo e errado
  8. Justiça
  9. Morte
  10. O sentido da vida