Filosofia das Lógicas
26 de Maio de 2010 ⋅ Lógica

Imensamente informativo

Matheus Silva
Filosofia das Lógicas, de Susan Haack
Tradução de Cezar Augusto Mortari e Luiz Henrique de Araújo Dutra
São Paulo: Editora UNESP, 2002, 359 pp.
Comprar

Susan Haack oferece neste livro um acesso fascinante à filosofia da lógica: área da filosofia que tem como objeto de estudo os problemas e fundamentos das diferentes lógicas. Este livro é um bom antídoto para professores de lógica que têm o hábito de apresentar apenas o cálculo bivalente proposicional e de predicados de primeira ordem, aquilo que hoje chamamos lógica clássica, sem ao menos mencionar as alternativas que a acusam de ser restritiva demais ou equivocada. As realizações de lógicos como Russell e Frege sempre foram debatidas e as alternativas são muitas, como as lógicas livres, relevantes, paraconsistentes, difusas e intuicionistas. É por isso que este é um livro de filosofia das lógicas (no plural) e não da lógica.

O livro também torna claros os inúmeros debates que estão na base das lógicas e suas conexões com outras áreas, como a filosofia da linguagem, a metafísica, a epistemologia e a filosofia da mente. É um ótimo livro para o aluno de filosofia que se viu obrigado a decorar as regras de inferência de lógica formal sem as compreender adequadamente e sem compreender o seu papel na filosofia. As lógicas são instrumentos imprescindíveis para o filósofo e estão relacionadas com problemas filosóficos reais.

Feitas essas considerações, passo aos capítulos do livro.

No primeiro capítulo, Haack faz uma distinção entre lógica, filosofia da lógica e metalógica, além de sugerir critérios para diferenciar os sistemas lógicos de outros sistemas formais e argumenta que a delimitação do âmbito da lógica é crucial para teses filosóficas como o logicismo na filosofia da matemática. No exame desses problemas são apresentadas brevemente as respostas contrastantes de Quine, Kneale, Dummett, Ryle, Lesniewski e Frege.

O segundo capítulo caracteriza os diferentes modos de avaliar argumentos: a avaliação lógica (avaliar se há conexão entre as premissas e a conclusão), material (avaliar se as premissas e a conclusão são verdadeiras) e retórica (avaliar se o argumento é persuasivo para a audiência). Haack se centra na avaliação lógica e defende que os argumentos podem ser avaliados por padrões dedutivos ou indutivos. A autora também faz uma distinção entre argumentos formais (uma seqüência de fórmulas bem formadas de uma linguagem formal) e argumentos informais (uma seqüência de frases). Assim, há argumentos formais, que podem ter validade num sistema formal, e os argumentos informais, que podem ter uma validade extra-sistemática. Os sistemas formais visam formalizar argumentos informais, e se um argumento informal é representado por certo argumento formal, espera-se que o argumento formal seja válido apenas se o argumento informal correspondente for válido, no sentido extra-sistemático. O capítulo termina apresentando alguma terminologia envolvida na concepção de validade sistemática (variantes notacionais, constantes primitivas, formulações axiomáticas e de dedução natural) e a distinção entre a validade dos argumentos e a sua forma lógica.

Penso que este capítulo é o mais fraco do livro e por isso decidi fazer alguns comentários mais detidos. A distinção entre as avaliações lógica, material e retórica é confusa. Haack poderia simplesmente dizer que ao examinar um argumento exigimos não só que seja válido (dedutiva ou não dedutivamente) como também que tenha premissas verdadeiras e premissas mais plausíveis do que a conclusão. O argumento que satisfaz essas três exigências é um bom argumento, um argumento cogente. E mesmo no que diz respeito à validade lógica não há apenas padrões dedutivos e indutivos, como sustenta Haack. O que há são padrões dedutivos e não dedutivos, incluindo nestes últimos os argumentos indutivos, argumentos causais, argumentos por analogia, abduções e argumentos de autoridade. Sua diferenciação entre duas concepções de validade, sistemática e extra-sistemática, é ainda mais confusa. Haack caracteriza um argumento da seguinte forma: “O que é um argumento? Bem, reconhece-se que há a pretensão de que algumas partes do discurso apóiem uma conclusão por meio de premissas, que levem a uma conclusão a partir de premissas” (p. 39, itálicos meus). Essa noção é correta, mas implica a pretensão de um agente cognitivo, alguém que quer sustentar uma conclusão com base em premissas. O problema é que a lógica formal não capta essa intenção: não permite distinguir um conjunto de fórmulas bem formadas que é um argumento de um conjunto que não é um argumento, o que mostra como essa noção de argumento formal apresentada por Haack (uma seqüência de fórmulas bem formadas de uma linguagem formal) está errada. Além disso, as formas argumentativas usadas em lógica formal são construídas a partir de argumentos reais, sendo estes primitivamente válidos ou inválidos e as suas formas argumentativas apenas derivadamente válidas ou inválidas. Na verdade, seria estranho defender que uma forma argumentativa, cujas premissas e conclusão não têm valores de verdade porque não são proposições mas apenas formas proposicionais, poderia ser primitivamente válida — dado que a validade é uma relação entre valores de verdade. Se as formas proposicionais não podem ter valores de verdade, em si, as formas argumentativas não podem também ser válidas nem inválidas, em si.

O capítulo 3 apresenta alguns aspectos formais importantes das conectivas frásicas e considerações filosóficas sobre o seu significado. Haack discute de maneira breve e adequada o argumento de Prior e as suas regras tonk. A discussão sobre os objetivos da formalização da lógica toma lugar e são apresentadas brevemente as propostas de Faris, Von Wright, Dummett, David Lewis, Strawson, Grice e Clarence Lewis. Particularmente interessante é a discussão sobre as discrepâncias entre a conectiva ? da condicional material e o “se…, então” das frases condicionais.

O capítulo 4 discute os quantificadores e suas diversas interpretações (objetuais e substitucionais) apresentadas por filósofos como Quine, Davidson, Mates e Marcus. Destas, apenas a interpretação de Quine é discutida detidamente, dado o papel crucial que desempenha no seu critério de compromisso ontológico. Além disso, Haack faz um breve balanço das possíveis vantagens e desvantagens de cada uma das interpretações dos quantificadores para outros problemas como a definição de verdade, a formalização do tempo verbal, a interpretação da lógica modal de predicados e a quantificação de segunda ordem.

O capítulo 5 discute a interpretação correta dos termos singulares e seus análogos da linguagem natural. Teorias rivais sobre os nomes próprios podem ser utilizadas para apoiar interpretações diferentes dos termos singulares na lógica. São brevemente apresentadas e discutidas as teorias acerca dos nomes próprios de Mill, Kripke, Ziff, Frege, Russell, Quine, Wittgenstein, Searle, Burge e Davidson.

O capítulo 6 discute o tipo de coisa com a qual a lógica lida: frases, enunciados, crenças ou proposições? A discussão se dá em duas frentes, sintática (o que na linguagem natural é o análogo dos “p” e “q” da lógica?) e semântica (que tipo de coisa pode ser verdadeira ou falsa?). As respostas brevemente apresentadas são variadas, passando por autores como Cartwright, Frege, Moore, Strawson, Putnam, Kneale, Kripke e Tarski.

O capítulo 7 apresenta um esboço das principais teorias da verdade. São brevemente apresentadas as teorias pragmatistas (Peirce, James, Dewey e Dummett), da coerência (Bradley, Neurath, Rescher e Dauer), da redundância (Ramsey, Strawson, Prior, Mackie, Williams, Grover, Camp e Belnap), semânticas (Tarski, Davidson e Kripke) e teorias da correspondência (Russell e o primeiro Wittgenstein). Sendo este um dos capítulos mais extensos do livro (57 pp.), Haack não pode apresentar as teorias de todos os autores; apresenta e discute as versões principais, apenas mencionando as demais.

A resenha já vai longa e por isso vou apenas indicar brevemente o conteúdo dos capítulos restantes. No capítulo 8 há uma discussão sobre o paradoxo do mentiroso e outros paradoxos relacionados assim como algumas soluções possíveis. O capítulo 9 discute a lógica clássica e as diferentes lógicas alternativas (tanto as conservadoras quanto as desviantes). O capítulo 10 centra-se na lógica modal, seus diferentes sistemas, objeções à sua interpretação e um delicioso pós-escrito sobre a lógica da relevância insatisfeita com a implicação estrita. O capítulo 11 trata das diferentes lógicas polivantes e suas motivações filosóficas. O capítulo 12, que considerei o melhor da obra, termina o livro com uma empolgante discussão sobre questões acerca do estatuto da lógica que surgem com a existência de uma pluralidade de sistemas lógicos. Haack examina as propostas monistas, pluralistas e instrumentalistas, propondo uma posição pluralista global: a interpretação dos resultados formais das diferentes lógicas deve ser cuidadosa e atenta aos propósitos de formalização de cada uma delas. E a existência de várias lógicas alternativas impõe uma concepção falibilista da lógica, pois não temos garantias de que não estamos enganados acerca de nossas crenças sobre a lógica.

Filosofia das Lógicas contém ainda sugestões de leitura (três páginas), uma seção de notação e abreviaturas de termos lógicos (duas páginas), um glossário de termos lógicos (doze páginas), um índice de nomes e assuntos citados (quinze páginas) e uma ótima bibliografia (catorze páginas).

O livro dirige-se tanto a estudantes quanto a professores interessados na filosofia da lógica e pressupõe um leitor familiarizado com algumas noções de lógica elementar e algum conhecimento de questões filosóficas. Trata de questões difíceis que lidam com interconexões de várias áreas da filosofia. Haack optou por uma estratégia abrangente, utilizando vários argumentos e teorias para fazer frente a esses problemas. Por isso, o livro é imensamente informativo, contendo vários argumentos por página e diversos gráficos que ilustram e classificam as teorias. Por dar prioridade a essa estratégia abrangente, Haack perde o rigor do pormenor. Contudo, é um sacrifício que valeu a pena: a apresentação das teorias, embora muitas vezes simplificada, é bem feita e fiel às obras consultadas. Por essas razões, este livro é uma obra de referência para os interessados em lógica e uma leitura imperdível para os que apreciam a boa filosofia.

Índice

Prefácio à edição brasileira
Prefácio
Notação e abreviaturas

  1. Filosofia das Lógicas
  2. Validade
  3. Conectivos Sentenciais
  4. Quantificadores
  5. Termos Singulares
  6. Sentenças, enunciados, proposições
  7. Teorias da verdade
  8. Paradoxos
  9. Lógica e lógicas
  10. Lógica Modal
  11. Lógica polivalente
  12. Algumas questões metafísicas e epistemológicas sobre a lógica

Glossário
Sugestões de leituras
Bibliografia
Índice

Matheus Silva
mateusmasi@gmail.com

Universidade Federal de Minas Gerais
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte