Terrorismo, Direitos Humanos e a Apologia do Governo Mundial
5 de Maio de 2007 ⋅ Filosoficamente

Desafios políticos do terrorismo

Terrorismo, Direitos Humanos e a Apologia do Governo Mundial, de Louis P. Pojman
Tradução de Célia Teixeira
Revisão científica de Desidério Murcho
Bizâncio, Maio de 2007, 176 pp.
ComprarExcerto

Louis P. Pojman defende que a globalização implica a necessidade de uma maior cooperação à escala mundial baseada em legislação internacional eficaz. A melhor forma de fazer cumprir as promessas da globalização é criar um governo mundial.

Numa prosa clara, Pojman começa por nos expor as ameaças do terrorismo internacional, de que ninguém está livre, comparando-o com as antigas formas de terrorismo essencialmente direccionadas para alvos específicos, examinando, ao mesmo tempo, os vícios e virtudes do nacionalismo. Por fim, defende que leis internacionais eficazes, que combatam o terrorismo e promovam a paz, exigem um “nacionalismo moderado” o qual, em última instância, será compatível com um governo mundial.

Pojman conclui com uma nota positiva e defende uma vez mais que, com as estratégias que propõe, será possível derrotar o terrorismo internacional.

Aclamação

"Esta obra apresenta uma visão positiva para reinventar a globalização. Na tradição dos grandes filósofos, Louis P. Pojman insiste que a partir da adversidade podemos criar um futuro melhor."
— Joel H. Rosenthal, presidente do Carnegie Council para a Ética e Assuntos Internacionais

Louis P. Pojman

Sobre o autor

Louis P. Pojman (1935-2005) foi professor emérito de Filosofia na Academia Militar dos EUA, em West Point, e membro vitalício do Clare Hall, Universidade de Cambridge. Fez a sua pós-graduação na Universidade de Oxford. Foi autor e organizador de mais de trinta livros e de uma centena de artigos nas mais diversas áreas, incluindo Filosofia da Religião, Ética, Epistemologia, Teorias da Justiça e da Natureza Humana e Filosofia Política.

Índice

Prefácio
Capítulo 1 — A resposta moral ao terrorismo e o imperativo cosmopolita
Capítulo 2 — Apologia do governo mundial
Capítulo 3 — Sobre os direitos humanos
Conclusão

Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte