101 Ethical Dilemmas
3 de Abril de 2004 ⋅ Filosofia política

Guerras justas

Martin Cohen

Erasmo, o grande defensor alemão do humanismo, foi um dos primeiros a condenar a guerra. Referindo-se à guerra escreveu: "Quem já viu 100 000 animais a correr para se degolarem uns aos outros, como os homens fazem por toda a parte, sabe que nada há mais perverso, mais desastroso, mais destruidor, mais repugnante, numa palavra, mais indigno do homem". Um ponto interessante sobre as guerras é que quando elas são declaradas, as regras normais deixam de se aplicar. Em particular, o bem torna-se mal, e o mal torna-se bem.

Actividade Estatuto em tempo de paz Estatuto em tempo de guerra
Matar pessoas Mau Bom
Roubar e destruir materiais Mau Bom
Dizer mentiras e enganar as pessoas Mau Bom
Cometer suicídio como forma de fazer mal a muitas outras pessoas Muito mau Muito bom

A maioria dos filósofos (à excepção de Nietzsche e de alguns filósofos antigos) explicaria esse fenómeno dizendo a guerra ela própria é uma má. Será assim tão simples?

Recentemente foram feitas guerras, supostamente justas (com ou sem a aprovação das Nações Unidas), para salvar povos da morte por genocídio, de milícias ou de regimes fanáticos; evitando assim o massacre de milhões de pessoas indefesas.

Podemos também mencionar a guerra contra a Alemanha feita para impedir que os nazis levassem a cabo a "limpeza étnica" de toda a Europa em nome da pureza racial, bem como a guerra contra o Japão feita para destruir o culto militarista dos japoneses com todas as suas crueldades e massacres. O problema para os amantes da paz é: se a guerra é sempre má, então toda a actividade de policiamento bélico deve parar?

Será que devemos deixar os tiranos massacrar o seu próprio povo, e até talvez os seus vizinhos?

Martin Cohen

Tradução de Luís Filipe Bettencourt
Texto retirado de 101 Ethical Dilemmas, de Martin Cohen (Routlegde, 2002)
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte