Como e por que Ler os Clássicos Universais Desde Cedo
Junho de 2003 ⋅ Livros

Ler é um direito e não um dever

Leônidas Hegenberg
Como e por que Ler os Clássicos Universais Desde Cedo, de Ana Maria Machado
Rio de Janeiro: Objetiva, 2002, 145 pp.
Comprar

Estou convencido de que um incontável número de pessoas (entre as quais me incluo) apreciam livros porque tiveram avós, mães, tias, professoras que, desde cedo, lhes contavam estórias ou liam o que estava escrito sob lindas figuras em livros ciosamente guardados. É provável que um número similar de pessoas não voltou a pegar em livros, pelas mesmas razões...

Conclusões desse gênero fazem parte de uma espécie de "filosofia da leitura" que leitores compulsivos acabam formulando em algum momento de suas vidas. Ana Maria Machado desenvolve uma tal filosofia neste seu "Porque ler os clássicos", obra que apreciadores das conquistas de Gutenberg não podem ignorar.

Ana Maria dispensa apresentações e elogios. Basta lembrar que escreveu mais de uma centena de livros e recebeu (em 2000) a medalha "Hans Christian Andersen", espécie de "Nobel" da literatura infantil. Neste seu recente livro, discorre a respeito de nosso encontro com a letra de forma. Seu desejo é mostrar como proceder a fim de que os jovens descubram, no livro, um cúmplice para o prazer. Suas observações merecem comentários — que prometem ser mais longos do que os encontrados em resenhas usuais. Meu leitor me perdoará, estou certo.

Em linguagem simples, Ana Maria fala de sua vida de "devoradora" de livros, de personagens inesquecíveis e de narrativas a que sempre retorna. A hoje muito repetida indagação a respeito do lugar do livro no mundo computadorizado, encontra, aqui, uma resposta satisfatória e convincente.

No capítulo inicial, registra, com propriedade, vários pontos importantes. Evitando repetir suas palavras, ela diz: 1) ninguém deve ser obrigado a ler; ler é um direito, não um dever; 2) forçar alguém a ler é modo infalível de gerar horror ao livro; 3) clássico é um livro eterno — o que não sai de moda; 4) o primeiro contato com um clássico pode ser feito usando adaptações bem feitas. (Entre essas adaptações incluir, por exemplo, desenhos de Walt Disney e, para nós, afortunados, que entendemos o português, as obras de Monteiro Lobato.)

Ana Maria lembra quão notáveis resíduos existem, nos dias atuais, das aventuras contadas por Homero (Ilíada; Odisséia), ou por Sófocles, Eurípedes e Ésquilo. Nota que as Sagradas Escrituras contêm estórias facilmente usadas para atrair a atenção dos jovens. Entre elas, a da arca de Noé, da torre de Babel, da vida de Moisés no Egito, da luta de David e Golias, de Sansão e Dalila, de Jonas e a baleia, dos reis magos...

A autora fala, com graça, das proezas dos cavaleiros da Idade Média. Sublinha que o cinema contribuiu (e muito) para difundir, de modo atraente, várias dessas proezas. Quem ignora o Rei Artur, a távola redonda, Sir Lancelot ou Tristão e sua bela Isolda? Quem não ouviu falar de Carlos Magno, da Canção de Rolando, de El Cid, de Robin Hood, de Ricardo Coração de Leão? E, mais recentemente, quem deixou de ouvir falar em Tolkien (O Senhor dos Anéis, As Brumas de Avalon) ou de Harry Potter? Nesse contexto, qual a pessoa medianamente instruída que ignora Quixote e Sancho?

Depois, Ana Maria refere-se aos livros de viagens: Marco Pólo e as aventuras de Gulliver. Fala de obras orientais: As Mil e uma Noites; A Epopéia de Gildamesh — uma das obras mais antigas que se conhecem, contemporânea do Antigo Testamento e de que há adaptações ao alcance do mercado editorial português e brasileiro. Lembra o teatro de Shakespeare com figuras inesquecíveis: Hamlet; Romeu e Julieta; Otelo; Henry VIII. Não esquece nosso Camões, sublinhando que o difícil texto de Os Lusíadas pode ser primeiramente enfrentado em adaptações — de que há muitas e bem feitas.

Na p. 60, Ana Maria comete erro que já vi repetido várias vezes. Ela fala do "filósofo inglês Thomas Moore", também "conhecido por seu nome latino, Tomas Morus". Na verdade, Sir Thomas More (um "o" apenas), e George Moore são pessoas distintas. Thomas More (1478-1535) é o autor de Utopia, escrito em 1516, que a autora considera. George Edward Moore (1873-1958) também é filósofo de méritos. Seus Philosophical Studies (1903) foram objeto de atenção na primeira metade do século XX. (Para complicar, ainda temos Henry More, Charles Moore e Stanley Moore.)

O cap. 7 (Encantos para sempre) trata dos contos de fadas. A autora registra, com razão, que esses contos são vítimas de dois sérios preconceitos. De um lado, os críticos e a academia não os prestigiam, encarando-os como histórias infantis e, por isso, pouco importantes. De outro lado, inversamente, por serem vistos como trabalhos destituídos de nobreza literária, diz-se que podem ser dados às crianças. Errado, no entender de Ana Maria. Contos de fadas não foram escritos para as crianças. Sua universalidade e permanência atestam sua qualidade. Ana Maria lembra que uma versão da Cinderela era conhecida no Egito antigo e que o pequenino pé deve associar-se a antigos hábitos chineses.

O cap. 8 volta-se para as "estórias marítimas". Muito apropriadamente, a autora afirma que A Ilha do Tesouro, de Robert Louis Stevenson, brincando com os medos das crianças — tal como "joga" com os medos dos adultos, em O Médico e o Monstro (1886) é "uma reação ao pessimismo e ao desânimo, um ato de confiança na potencialidade juvenil". Por isso, é livro que "fica para sempre"... Nessa linha, não olvidar Melville (Moby Dick), Defoe (A Família Robinson), Jack London (O Lobo do Mar)...

A seguir, temos um curioso capítulo voltado para os romances capa-e-espada, a selva e os enigmas. Poucos deixarão de conhecer Dumas (Os Três Mosqueteiros), seja em livro, seja em cinema, seja em teatro, ou H. Rider Haggard, com seu famoso As Minas do Rei Salomão. (Vale a pena registrar que Eça de Queirós traduziu esse livro, dando-lhe especiais qualidades literárias para leitores que conhecem nosso idioma.) Ao lado de Dumas e Haggard, estão autores de aventuras inolvidáveis como Fenimore Cooper (O Último dos Moicanos), Edgar Rice Burroughs (Tarzan) e Rudyard Kipling (O Livro da Selva — com Mogli, o menino-lobo), assim como Edgar Alan Poe e Conan Doyle, com os romances de mistério. Acerca de Poe, Ana diz que "preparou o público para a revolução moderna, criando novo modo de ler ficção, desconfiando do que o autor nos diz". Ana elogia Michel Zevaco, autor de Os Pardaillans, livro há muito esgotado, merecedor de reedição.

Não posso prolongar meus comentários. Registro apenas que "Clásicos universais" devota o cap. 10 a livros que se detêm no quotidiano. Aí estão Mark Twain, Faulkner, Hemigway, Dickens, as irmãs Bronte, Eleanor Porter (Poliana) e Salinger — que Ana muito elogia. E dedica o cap. 11 aos clássicos infantis, onde são lembradas as obras de Lewis Carroll (Alice), K. Grahame, B. Pottter e A. Milne (Winnie the Poo), Collodi (Pinochio), James Barrie (Peter Pan) e nosso mui querido Lobato (de Emília, Dona Benta, Visconde de Sabugosa...).

Ana Maria conta que recebeu Reinações de Narizinho quando estava com cinco anos e nunca deixou de deliciar-se com o mundo criado por Lobato. As crianças de hoje, porém, não ingressam nesse mundo com naturalidade. As dificuldades não estão no vocabulário, nem na sintaxe. Estão nas alusões a um universo cultural que os jovens da atualidade não conhecem. Só se consegue levar as crianças ao Sítio do Picapau Amarelo contando-lhes quem eram Carochinha e Pequeno Polegar.

Enfrentando esse problema, toma-se consciência do risco que se corre: "em pouco tempo poderemos ter o pesadelo de gerações que não entendam a literatura hodierna porque não conhecem os clássicos que a precederam." Em verdade, a literatura se constrói sobre um diálogo com obras anteriores; nasce de contato que cada autor mantém com livros lidos. Um livro leva a outro, uma descoberta provoca releituras. Ora ficamos presos a um único texto, ora lemos vários livros (que se contaminam), ora passamos um tempo longe dos livros, "ruminando" o que ficou em nossa memória...

De acordo com Ana Maria Machado, a vitalidade e permanência dos grandes livros dependeria menos de suas qualidades do que do potencial de leituras que permitem. A par disso, diz ela, há a questão do "como ler". É indispensável ler criticamente, ou seja, ler sem adotar atitude reverente, mas sem discordar de tudo. Também é conveniente ler de maneira contextualizada, isto é, "vivendo" a época, não pretendendo encontrar atitudes contemporâneas em acontecimentos passados. Como é oportuno deixar de lado atos utilitários e abandonar idéias de transformar os livros em ferramentas de ativismo.

Ler bem, sublinha Ana Maria, "é ficar mais tolerante e mais humilde, aceitar a diversidade, dispor-se a tolerar a divergência". Não deixe de ler Ana Maria Machado.

Leônidas Hegenberg
Instituto Brasileiro de Filosofia
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte