Dictionary of Shakespeare Quotations, de de G. F. Lamb

Citações eruditas

Leônidas Hegenberg
Dictionary of Shakespeare Quotations, de G. F. Lamb
Wordsworth Reference, 1996, 352 pp.

Este livro foi publicado, em 1992, em Edimburgo, com o título Chambers Shakespeare Quotations. Deve ter sido recebido com geral aprovação, pois é, de fato, obra de consulta extremamente bem feita.

Como se sabe, Shakespeare nasceu em 1564 em Stratford-upon-Avon. Aí passou a infância e a juventude e aí se casou, quando ainda não havia completado 18 anos. Ainda jovem, mudou-se para Londres, onde trabalhou como ator e escritor de peças teatrais. Sua atividade, nessas áreas, durou mais de 25 anos, durante os quais se tornou membro muito proeminente de uma grande companhia teatral. Para essa empresa, escreveu suas peças — que lhe deram especial renome na capital inglesa. Em 1611, começou a libertar-se de seus encargos. Pouco depois, famoso e com as finanças "acertadas", voltou para sua cidade natal — onde faleceu em 1616.

Shakespeare escreveu 37 peças. Começou, em 1590, com uma comédia (The Two Gentlemen of Verona). Escreveu peças de cunho histórico (de Henrrique VI, 1592, até Henrrique VIII, 1613 — seu último trabalho); tragédias (de Titus Andronicus, 1592, até António e Cleópatra, 1606); duas peças que os especialistas incluem em uma categoria denominada "dark comedy" (Much Ado About Nothing e All's Well That Ends Well); um drama romântico (Timão de Atenas); e, nos últimos anos de vida, três peças românticas (The Winter's Tale, Cymbeline e The Tempest).

Em praticamente todas as suas obras, Shakespeare deixou frases de grande efeito, freqüentemente lembradas e repetidas. Shakespeare, segundo consta, é o autor mais citado da língua inglesa. Assim, foi de grande valia a iniciativa de G. F. Lamb, reunindo essas frases em um dicionário — que muitos leitores hão-de acolher som enorme satisfação.

Lamb distribuiu as citações em "seções" adequadas — 197 títulos, desde "Absence" e "Action", até "Words", "World" e "Youth" (passando por "Day", "God", "Joy", "Love", "Pity", "Rain", "Sin", "Tears", "Villainy", etc.).

Cada seção inclui de meia dúzia até quase três dúzias de citações. Como se perceberá, sem dificuldade, folheando a obra, as citações, cobrindo praticamente todos os aspectos da vida humana, continuam inteiramente válidas até os dias atuais, o que as torna de agradável releitura.

As citações estão sempre acompanhadas de indicação da peça (ato e quadro) em que ocorrem e do personagem que as pronuncia — o que lhes dá especial sabor, se conhecemos o caráter desses personagens e o que representam, na peça em causa.

Para leitores menos afeiçoados, G. F. Lamb reservou 25 páginas (313-337) para arrolar, em ordem alfabética, todos esses personagens shakesperianos, indicando o local em que comparecem e fornecendo breve descrição do papel que aí desempenham. Exemplificando, a lista principia com "Aaron" (em Titus Andronicus — vilão responsável pelas atrocidades cometidas contra a família de Titus, castigado ao ser enterrado vivo) e termina com "Wolsey" (em Henrique VIII).

Para quem gosta de citações eruditas e sentiu o prazer de ler ou ver peças de Shakespeare, esta obra é um primor. "Imperdível", como se costuma dizer...

Leônidas Hegenberg
Instituto Brasileiro de Filosofia
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte