Filosofia Analítica, de Claude Imbert et al.

Trabalho notabilíssimo

João L. Rodrigues
Filosofia Analítica, de Claude Imbert, Denis Zaslawsky, Francis Jacques, Françoise Armengaud, Gilles G. Granger, Philippe Devaux e Jan Sebestik
Tradução de Jorge Manuel Pereira Fernandes Pires
Gradiva, s/d, n.º 9 da Colecção Panfletos, 147 pp.

Este é um livrinho encantador de 150 páginas que se lê de uma assentada. Vi-o numa Feira do Livro há alguns anos e as fotografias de Bertrand Russell e Karl Popper na capa levaram-me a examinar o índice (deixa-me cá ver o que é que eles dizem sobre Russell). O índice é bastante detalhado (cerca de 80 entradas), o que é muito útil pois permite encontrar rapidamente a informação que se pretende.

Suponho que o livro é uma colecção de excertos da Encyclopédia Universalis (daí os 7 autores). Os textos são muito resumidos (alguns autores, como Popper ou Carnap, só ocupam 5 ou 6 páginas de texto, Russell ocupa 18 páginas), mas é mesmo isso que se pretende com este livro: que seja uma espécie de ready reference. A referência a "textos absolutamente excepcionais" na contracapa é talvez um pouco exagerada, mas é verdade que esta colecção de textos constitui um trabalho notabilíssimo por ter conseguido dizer tanto em tão pouco espaço.

Com efeito, ficamos com uma imagem razoavelmente boa de cada um dos 10 filósofos e 3 correntes filosóficas examinadas. Cada uma das secções dedicadas a um filósofo específico cativa-nos pela introdução de carácter biográfico que apresenta (é quase como na História da Filosofia Ocidental, de B. Russell). A introdução (35 páginas) também é muito esclarecedora e ajuda a contextualizar e compreender melhor as secções que se seguem, dedicadas a filósofos específicos.

Merece referência, também, a excelente bibliografia que existe no fim de cada secção. Este aspecto, por si só, quase justifica a aquisição do livro. Em quase todas as secções, a bibliografia está dividida entre obras que o filósofo escreveu e obras que outros escreveram sobre ele. Para quem quer procurar os originais isto é uma maravilha, pois as referências são detalhadas e abundantes. Bravo à Gradiva por não ter amputado este pormenor do livro!

Passemos à descrição do conteúdo do livro. A introdução, intitulada "Filosofia Analítica" (35 páginas) foca, entre outros, os seguintes temas: os atomistas lógicos, os positivistas lógicos, a análise dita terapêutica, os analistas da escola de Oxford, a lógica matemática e a filosofia das ciências, a filosofia da linguagem, a análise linguística e conceptual.

É pena que o livro não esteja organizado em capítulos numerados. As secções sucedem-se umas às outras, em ordem cronológica, mas sem qualquer numeração. Os filósofos e correntes abordados são os seguintes: Gottlob Frege, Bertrand Russell, George Edward Moore, Ludwig Wittgenstein, Círculo de Viena, Neopositivismo, Rudolf Carnap, Karl Raimund Popper, Willard van Orman Quine, Alfred Jules Ayer, Gilbert Ryle, Peter Frederick Strawson, Pragmática.

Um aspecto que gostava de ver melhorado é a qualidade da encadernação. Eu sou daqueles leitores que gostam de vincar bem as páginas e isto é desastroso no caso de livros como este. As folhas soltam-se com muita facilidade.

Resumindo: este é um bom livro, que vale a pena ler. É de fácil leitura e acho que interessará a alunos e professores de Filosofia e aos matemáticos (e lógicos, em particular).

João L. Rodrigues

Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte