O Homem Que Só Gostava de Números, de Paul Hoffman

Paul Erdös

Desidério Murcho
O Homem Que Só Gostava de Números, de Paul Hoffman
Tradução de Jaime Ramos
Gradiva, 2000, 282 pp.
Comprar

Eis uma leitura apaixonante. Ao contrário do que eu pensava, não se trata exactamente de uma biografia de Paul Erdös, o génio matemático húngaro que trabalhava 19 horas por dia e que demonstrou largas centenas de importantes teoremas matemáticos, sendo autor e co-autor de qualquer coisa como 1475 artigos científicos. É antes uma colecção de memórias, factos e episódios sobre a vida de Erdös. Mas a habilidade narrativa de Hoffman, por um lado, e a vida extraordinária de Erdös, por outro, fazem desta obra uma leitura magnífica.

Erdös vivia para a matemática. Nunca casou. Nunca teve filhos, apesar de adorar crianças, a que ele chamava "épsilos" (o épsilo é usado em matemática para representar quantidades pequenas). Nunca teve relações sexuais. Tinha uma rede de amigos matemáticos espalhados pelo mundo e arrastava consigo uma grande mala, que transportava de conferência para conferência, de universidade em universidade, em redor do mundo, ficando semanas em casa dos amigos e aparecendo sempre sem se fazer anunciar. Trabalhava até à 1 da manhã todos os dias e às 6 da manhã já estava a trabalhar outra vez. Tomava excitantes para poder trabalhar mais e resistir ao sono. E trabalhou até morrer, em 1996, com 83 anos de idade. Calculo que Erdös terá demonstrado mais teoremas sozinho do que todos os matemáticos portugueses juntos de hoje em dia.

Erdös era o protótipo do génio maluco, excepto numa coisa: ao contrário do perfil alemão romântico do génio de mau génio, Erdös era simpático com todos os seus amigos e nunca se esquecia do que para eles era importante. Era especialmente amigo dos filhos dos amigos, que também pareciam gostar muito dele. E era um mãos-largas com o dinheiro, doando-o para que estudantes pobres com talento para a matemática pudessem prosseguir os seus estudos.

Hoffman não se limita a descrever a vida de Erdös; na verdade, o livro acaba por ser uma pequena história de algumas das disciplinas matemáticas cultivadas por Erdös, e uma estimulante introdução informal a algumas dessas áreas. Erdös trabalhava sobretudo na teoria dos números e não noutras áreas da matemática, como a lógica ou a geometria. Ao longo do livro Hoffman apresenta-nos alguns dos problemas e dos resultados mais significativos trabalhados por Erdös e pelos seus colaboradores.

Esta obra tem ainda a enorme vantagem de tornar evidente que a ideia de que os cientistas, os filósofos e os intelectuais em geral não são frios e impessoais é uma trivialidade que só a inanidade das modernas doutrinas pós-modernas pôde erguer ao estatuto de tese filosófica. Mas do facto de os intelectuais serem pessoas profundamente envolvidas emocionalmente na sua actividade não se segue que os resultados a que chegam sejam, eles próprios, meramente subjectivos.

Esta obra de Hoffman, que ganhou em 1999 o prémio Rhône-Poulenc para o melhor livro de ciência, tem feito furor um pouco por todo o mundo, constituindo um dos sucessos de vendas da Amazon. Chegou agora a Portugal pela mão da Gradiva e com tradução de Jaime Ramos. Infelizmente, abundam ainda os anglicismos, alguns bastante disparatados, como a expressão "livro de texto" em vez de "manual", que é a tradução correcta de "textbook", e alguns erros ortográficos irritantes, como o nome de Bertrand Russell que aparece sistematicamente sem o último "l". Este livro e os seus leitores mereciam uma melhor revisão do português. Mas nada disto estraga a leitura. Todavia, se é um leitor de língua inglesa, talvez seja melhor deitar mão do original inglês.

Desidério Murcho
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte