The Unknown Shore, de Patrick O'Brian

Proust à vela

Desidério Murcho
The Unknown Shore, de Patrick O'Brian
HarperCollins, 1996, 266 pp.
Comprar

Patrick O'Brian escreve há quase trinta anos romances de marinharia cuja acção decorre no tempo das guerras napoleónicas. Alguns críticos compararam-no com Jane Austin e Proust. Escreveu uma longa série de romances com os mesmos personagens principais ("Lucky Jack" Aubrey e Stephen Maturin), de que acabou de prublicar-se o último da série (The Yellow Admiral). No entanto, não é deste último que vos vou falar, mas antes do precursor da série Aubrey-Maturin: The Unknow Shore, o livro ideal para começar a explorar o universo de O'Brian.

Há dois aspectos na obra de O'Brian que gostaria de sublinhar. Do ponto de vista formal, estamos perante um cultor da língua inglesa e da forma narrativa no seu melhor. O léxico está de tal forma adaptado à época na qual o romance se desenrola que mal começamos a leitura ficamos imersos num universo marítimo com 3 séculos de idade. O fascínio que isso provoca só é comparável à sensação que tínhamos quando descobríamos universos deslumbrantes nas nossas leituras de viagens e aventuras dos 13 anos. E este é o segundo aspecto que gostaria de destacar: há uma alegria narrativa, uma vivacidade, uma sensação de deslumbramento e aventura que é hoje praticamente inexistente, infelizmente, na literatura para adultos. A alegria de viver transmitida pela narrativa é contagiante. As descrições aparentemente sóbrias guardam sempre pérolas de observações irónicas, os personagens estão marcados por personalidades que mesmo quanto desagradáveis ao trato se revelam deliciosas à leitura...

Jack Byron — aspirante da marinha de guerra britânica — e Toby — ajudante do médico — são os personagens principais deste romance. O primeiro prima pela sensatez e conhecimento do mundo da marinharia; o segundo, por uma paixão por todas as matérias científicas, em especial a zoologia. As aventuras de ambos começam quando Toby se vê obrigado a seguir o rumo da vida marítima, acompanhado do seu amigo Jack, já experiente em tais matérias. A amizade inabalável que une dois espíritos fundamentalmente diferentes é em si uma lição — mas nunca na escrita de O'Brian a pedagogia bacoca entrava o brilho da literatura.

The Unknown Shore é a prova definitiva de que se pode cultivar os leitores divertindo-os ao mesmo tempo, refutando-se assim a ideia de que ler é uma coisa chata. E num país como Portugal, a tarefa de demonstrar isto é talvez uma das mais importantes.

Desidério Murcho
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte