Linguagem, Mente e Acção
12 de Janeiro de 2004 ⋅ Filosofia

Notícias da investigação

Linguagem, Mente e Acção, org. de Adriana Silva Graça
Actas do Seminário de Filosofia Analítica, 2002-2003
Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2004, 197 pp.
Excerto

O presente volume contém os ensaios que serviram de base às comunicações apresentadas no Seminário de Filosofia Analítica durante o ano académico de 2002-3. Os tópicos e problemas filosóficos discutidos ao longo do volume são de natureza bastante variada e incluem os seguintes: a relação entre a democracia e o argumento; os diversos tipos de modalidade; o analítico e o a priori; a bivalência e a vagueza; a relação entre os estados mentais e os estados físicos do cérebro; a natureza do significado e do conteúdo semântico; a semântica e a pragmática das frases condicionais; a semântica e a pragmática das descrições definidas singulares; a relação entre o significado e a verdade. Estes tópicos deixam-se subsumir num tema mais geral, o tema das conexões múltiplas entre a linguagem, a mente e a acção. Os ramos da Filosofia representados no volume são, por isso, igualmente variados: a Filosofia Política, a Filosofia da Linguagem, a Teoria do Conhecimento, a Filosofia da Mente, a Metafísica. Os autores dos ensaios são de proveniências diversas: doutorandos em fase de composição de tese, como Célia Teixeira, Teresa Marques, Desidério Murcho e Pedro Santos; especialistas nacionais a trabalhar na tradição analítica, como Adriana Silva Graça, Ricardo Santos e João Branquinho; e filósofos de reputação internacional, como Michael Devitt (City University of New York) e Wlodeck Rabinowicz (Universidade de Lund). Entre outras coisas, o presente volume é um reflexo da actual vitalidade da filosofia praticada à maneira analítica no nosso país.

O Seminário de Filosofia é uma actividade permanente de carácter científico realizada desde Outubro de 2002 no âmbito do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. No Seminário de Filosofia Analítica fazem-se apresentações públicas de investigação executada na tradição analítica em qualquer área da Filosofia. A tradição analítica distingue-se, não pela adopção de quaisquer pontos de vista particulares, metodológicos ou de outro género, mas pela clareza e rigor na exposição e discussão dos problemas, teses e argumentos da filosofia. As apresentações estão a cargo de especialistas nacionais, estudantes pós-graduados em fase de composição de tese, investigadores pós-doutorados e ainda especialistas estrangeiros de renome internacional. Cada comunicação tem a duração típica de 50 minutos e é seguida de um generoso período de discussão que não excede os 50 minutos. O Seminário de Filosofia Analítica dá assim aos investigadores a trabalhar na tradição analítica a possibilidade de submeter o seu material à crítica pública dos seus pares, uma componente crucial nesta tradição.

Índice

Prefácio (Adriana Silva Graça)

  1. Contra o Materialismo (João Branquinho)
  2. The Case for Referential Descriptions (Michael Devitt)
  3. A Shocking Idea about Meaning (Michael Devitt)
  4. Verdadeiro, Falso ou Nenhum dos Dois: Travis contra Williamson sobre Falhas de Valor de Verdade (Teresa Marques)
  5. Possibilidade Relativa: Três Concepções (Desidério Murcho)
  6. Democracy and Argument: Tracking Truth in Complex Social Decisions (Wlodek Rabinowicz e Luc Bovens)
  7. Three Bad Arguments for the Apartheid View on Conditionals (Pedro Santos)
  8. O Problema do Significado na Teoria da Verdade de Tarski (Ricardo Santos)
  9. Critérios de Identificação do Conteúdo (Adriana Silva Graça)
  10. O Projecto Empirista e o Conhecimento da Lógica (Célia Teixeira)
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte