Um Livro Especial, de Dan McCaw
8 de Maio de 2010 ⋅ Opinião

Papel electrónico

Desidério Murcho
Universidade Federal de Ouro Preto

Na década de 70 do séc. XX a Xerox inventou o papel electrónico. A ideia era fazer ecrãs que funcionassem como papel, ao contrário dos actuais ecrãs de computador. A vantagem é poder ler exactamente como lemos um livro: em pleno dia, na rua, na praia, no café. E fazer isso sem gastar energia é um bónus adicional. A ideia original da Xerox foi desenvolvida na década de 90 por Joseph Jacobson, que fundou a companhia E-Ink, para comercializar a nova tecnologia. Em termos simples, o papel electrónico consiste em micro-esferas, metade pretas e metade brancas, que ao posicionar-se adequadamente desenham letras pretas num fundo branco, como no papel.

Esta nova tecnologia permitiu o desenvolvimento de leitores electrónicos de livros: tornou-se possível ler livros electrónicos com o mesmo conforto e independência com que lemos um livro de papel. Foi então que a Amazon.com lançou o seu Kindle, um leitor electrónico de livros, exclusivamente para o mercado norte-americano. O sucesso deixou toda a gente estupefacta: as fábricas não davam conta de produzir unidades em quantidade suficiente. E então o mundo acordou. Hoje há leitores da Sony e da Phillips, assim como o novo BeBook holandês, que acabei de comprar. Do tamanho de um pequeno livro de bolso, e com a espessura de um livro de cinquenta páginas ou menos, permite armazenar milhares de livros, em diversos formatos — DOC, TXT, HTML, RTF, PDF, MOBI, ePub. Este último é o mais indicado para ler livros e há na Internet livrarias que os vendem (quase todos em língua inglesa) neste formato. Muitos livros antigos — clássicos como Os Lusíadas — estão disponíveis gratuitamente no Projecto Gutenberg, entre muitos outros lugares da Internet. A Cambridge University Press e a Hackett, duas importantes editoras académicas, já vendem praticamente todos os novos livros de filosofia em formato electrónico, na livraria EBooks.com.

Parece-me que podemos começar a deitar fora muitos livros em papel. O BeBook nada tem a ver com um minicomputador portátil. A diferença é o ecrã, que é exactamente como o papel: sem luz, nada se lê, mas à luz do dia (ou com iluminação normal) lê-se na perfeição. E a portabilidade é espantosa: podemos andar a ler livros durante mais de uma semana sem desligar o aparelho e sem o pôr a carregar. É que nesta tecnologia o aparelho só gasta energia quando mudamos de página. De modo que quando paro de ler limito-me a fechar a capa do livro electrónico, como quem pousa um livro normal; volto a abri-lo e continuo a leitura imediatamente.

Podemos ler também as notícias dos principais jornais do mundo, no formato RSS. Quando um PDF, TXT, HTML ou DOC não permite uma boa leitura, é fácil converter para MOBI usando o programa gratuito Mobipoket Creator.

Em suma, os meus hábitos de leitura mudaram muito, e viajar é mais fácil porque não tenho de carregar quilos de livros. E quando compro livros ingleses, não tenho de pagar portes de correio nem de esperar uma semana pela entrega.

Desidério Murcho
desiderio@ifac.ufop.br
Publicado no jornal Público (3 de Fevereiro de 2009)
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte