8 de Junho de 2016   Filosofia

Ensaiar ideias

Todos os Sonhos do Mundo e Outros Ensaios
De Desidério Murcho
Lisboa e S. Paulo: Edições 70, Julho de 2016, 352 pp.
Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Estas palavras de Fernando Pessoa sugerem um contraste inevitável entre o nada que somos e o tudo que almejamos ser. Será então que uma vida humana, por mais realizada que seja, é destituída de sentido a menos que exista uma vida depois da morte? Ou haverá sentido — o único tipo real e humano de sentido — numa vida dedicada à procura cuidadosa do que tem genuinamente valor? Serão os valores relativos de acordo com as culturas em que estamos inseridos ou conforme as opiniões pessoais? O que queremos compreender em filosofia quando discutimos as relações entre a arte e a moralidade? Estas são algumas das perguntas a que este livro procura responder. O objectivo não é persuadir o leitor, mas antes ajudá-lo a fazer o seu próprio percurso reflexivo para que sejam seus todos os sonhos do mundo.

Do interesse de qualquer pessoa apaixonada por ideias, e em particular em ideias filosóficas, este livro ajuda a clarificar as coisas e a pensar com autonomia. Abordando temas de ética, filosofia da religião, epistemologia, lógica, filosofia da linguagem e metafísica, é um livro intrigante que nos faz pensar sobre o sentido da vida, os valores morais, o racismo, a higiene mental que devemos a nós mesmos, a religião, o raciocínio, a natureza última da realidade e a morte. Tanto o leitor mais especializado como o leitor que dá os primeiros passos na filosofia encontra neste livro uma ajuda preciosa para pensar por si mesmo acerca de questões fundamentais.

Sobre o autor

Desidério Murcho nasceu em Portugal em 1965 e é professor de Filosofia na Universidade Federal de Ouro Preto. É autor de vários livros, destacando-se Essencialismo Naturalizado (2002), O Lugar da Lógica na Filosofia (2003), Pensar Outra Vez (2006), Filosofia em Directo (2011) e Sete Ideias Filosóficas que Toda a Gente Deveria Conhecer (2011). Organizou também a Enciclopédia de Termos Lógico-Filosóficos com João Branquinho e Nelson Gonçalves Gomes (2006), Viver para Quê? (2009) e A Ética da Crença (2010). É também autor de manuais de filosofia para o ensino secundário, foi colunista do jornal Público e traduziu livros de autores como George Orwell, Bertrand Russell, Alvin Plantinga, W. V. Quine, Richard Swinburne, Thomas Nagel, Newton-Smith, Susan Wolf, Nelson Goodman, Simon Blackburn e Anthony Kenny.

Excerto

Uma vida humana, por mais realizada que seja, será destituída de sentido, a menos que exista uma vida depois da vida? Serão os valores relativos, dependendo das culturas em que estamos inseridos, ou talvez até das opiniões pessoais? Estas são algumas das perguntas a que este livro responde. O objectivo não é persuadir o leitor, mas antes ajudá-lo a reflectir melhor. Os argumentos e objecções discutidas são as razões que há para rejeitar algumas ideias e aceitar outras.

Os capítulos podem ser lidos em qualquer ordem porque são relativamente independentes; apesar disso, obedecem a uma sequência temática e de exigência. Alguns são mais longos e exigentes, outros mais curtos e de leitura mais descontraída. No final do volume, além de registar os textos mencionados em cada capítulo, sugiro também leituras complementares que permitem aprofundar os temas desenvolvidos.

Com o passar dos anos tenho-me dado conta de que é fácil perder imenso tempo com frivolidades, um pouco como se uma vida humana fosse de tal modo longa que não fizesse grande diferença tanta dedicação a coisas que, na verdade, não valorizamos profunda e reflectidamente. Acontece que na verdade uma vida humana é demasiado precária e curta para ser desperdiçada desse modo, de maneira que a imagem do inesquecível sábio cigano Melquíades, da obra-prima Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez, tornou-se-me cada vez mais presente: um homem com amplos interesses científicos mas que se encontra sempre e inexplicavelmente enredado nas armadilhas frívolas da vida comum. Preparar a edição deste livro foi uma experiência maravilhosa, que me afastou dessas frivolidades que nos consomem, muitas vezes sem nos darmos conta. Espero que seja também para o leitor uma boa experiência.

Índice

Prefácio

  1. Todos os sonhos do mundo
  2. Existem valores universais?
    1. Um raciocínio inválido
    2. A falácia doxástica
    3. Verificacionismo
    4. Dependência
    5. Valores
    6. Racionalidade limitada
    7. Deus
    8. Contexto
    9. Desacordo profundo
    10. Conclusão
      Postscript
  3. A desarmonia dos valores
  4. Filosofia académica
  5. O anti-racista racista
  6. Lógica e amizade
  7. Verdade
  8. O obscurantismo actual
  9. Fé, epistemologia e virtude
    1. A possibilidade da filosofia da religião
    2. Metafísica, epistemologia e lógica
    3. Epistemologia
    4. Uma análise da fé
    5. A concepção fenomenológica de fé
    6. Testemunho e risco epistémico
    7. Aposta momentosa
    8. Diversidade epistémica
    9. Conclusão
  10. A religião de Darwin
  11. Filosofia trocada por miúdos
  12. Precisa a ciência da filosofia?
  13. Russell ensina a filosofar
    1. A refutação do cepticismo
    2. Conhecimento privado
    3. O problema da indução
    4. A natureza da filosofia
    5. Filosofia e ciência
    6. Contacto
    7. Fundacionalismo
    8. Teoria das descrições
    9. Nomes próprios
    10. Racionalismo ou empirismo?
    11. A natureza da lógica
    12. Ser e existir
    13. Factividade
    14. Teoria da verdade
    15. Conhecimento e justificação
    16. Conclusão
  14. Reabilitar a lógica
    1. A importância do raciocínio
    2. O que é raciocinar?
    3. Factos e valores
    4. Raciocínios e argumentos
    5. Validade
    6. Necessariamente
    7. Indução e dedução
    8. Validade formal e falácias
    9. Coerência
    10. Solidez
    11. Premissas plausíveis
    12. Conclusão
  15. Elementar, meu caro Watson!
  16. O que é a metafísica?
    1. Introdução
      1. Ontologia
      2. Filosofia primeira
      3. Breve história
      4. Metafísica e linguagem
      5. A equivocidade do ser
    2. Universais
      1. Relações
      2. Propriedades particulares
      3. Conjuntos de particulares
      4. Predicados e propriedades
      5. Verdul
      6. Universais aristotélicos
    3. Particulares
      1. Identidade numérica
      2. Condições de identidade
      3. Tempo e identidade
      4. Mudança de Cambridge
      5. Feixes, identidade e tempo
      6. Substância
      7. O barco de Teseu
      8. Propriedades essenciais
      9. O problema da composição
      10. Existência
      11. Modos de existência
    4. Necessidade
      1. Necessidade metafísica
      2. Necessidade da identidade
      3. Contra as necessidades metafísicas
      4. Indução e dedução
      5. Possibilia
      6. Mundos possíveis
      7. Contrapartes
      8. Modos de ser
    5. Outras questões
      1. Verdade
      2. Realismo e anti-realismo
      3. Por que há algo?
      4. Acontecimentos
      5. Morte
  17. São as bananas planetas?

Origem dos ensaios
Bibliografia