10 de Fevereiro de 2001   Guia das falácias

Falácias da ambiguidade

Stephen Downes
Tradução e adaptação de Júlio Sameiro

As falácias desta secção são, todas elas, falácias geradas pela falta de clareza no uso de uma frase ou palavra. Há dois modos de isto suceder:

  1. A palavra ou frase pode ser ambígua, caso em que tem mais de um sentido distinto;
  2. A palavra ou frase pode ser vaga. Nesse caso não tem um sentido distinto.
Viver Para Quê?

Também em Kindle

Equívoco

A mesma palavra pode ser usada com dois significados diferentes.

Exemplos:

  1. Criminalidade é ilegalidade. O julgamento de um roubo ou assassínio são acções criminais. Os julgamentos de roubos e assassínios são designados de acções criminais. Logo, os julgamentos de roubos e assassínios são ilegais. (Exemplo retirado de Copi.)
  2. Os assassinos de cianças são desumanos. Portanto, os humanos não matam crianças. (O argumento joga com os significados moral e descritivo de “humano”)
  3. Para ser grande ou pequeno um objecto tem, primeiro, de ser. Logo, o ser do objecto surgiu primeiro. (Jogo com os significados lógico e físico de “ser”)

Prova: Identifique a palavra que é usada mais de uma vez. Depois, mostre que a palavra surge com diferentes definições, adequadas num dos seus usos e desadequadas noutros.

Referências: Barker: 163; Cedarblom and Paulsen: 142; Copi e Cohen: 113; Davis: 58.

Anfibologia

Uma anfibologia ocorre quando a construção da frase permite atribuir-lhe diferentes significados.

Exemplos:

  1. No teu emprego todos gostam de um carro. Portanto, há um carro muito especial. (Todos gostam de um carro qualquer ou do mesmo carro?)
  2. O Oráculo de Delos disse a Croseus que se ele continuasse a guerra destruiria um reino poderoso. (O Oráculo não disse que seria o seu próprio reino...)

Prova: Evidencie a ambiguidade da frase, mostrando que pode receber diferentes interpretações.

Referências: Copi and Cohen: 114.

Ênfase

A ênfase é usada para sugerir uma proposição diferente daquela que, de facto, é expressa.

Exemplos:

  1. Não há CERVEJA GRÁTIS!
  2. A ex-namorada, procurando vingar-se do capitão, escreveu no jornal: “Hoje, o capitão estava sóbrio”. (Ela sugere, com a ênfase, que habitualmente o capitão está bêbado. Copi, p. 117)

Prova: Explicite a proposição sugerida, contrastando-a com a proposição realmente expressa.

Referências: Copi e Cohen: 115, 117.

Stephen Downes

Siga gratuitamente a Crítica por email e nunca perca as novidades.