[an error occurred while processing this directive] [an error occurred while processing this directive] Os Movimentos na Pintura, de Patricia Carrassat e Isabelle Marcadé
Estética

Informações preciosas

Aires Almeida
Os Movimentos na Pintura, de Patricia Carrassat e Isabelle Marcadé
Círculo de Leitores, 2001, 238 pp.
Comprar

Este livro apresenta-se como uma obra original, o que só é verdade em relação ao panorama editorial português. Até porque a ideia de Patricia Carrassat e Isabelle Marcadé, ambas diplomadas pela École du Louvre, é bastante simples: escrever um livro que ajude a reconhecer e compreender os movimentos na pintura, do renascimento aos anos 90 do séc. XX. Mas fazem-no muitíssimo bem, diga-se. Em 240 páginas é possível encontrar, com uma facilidade espantosa, mais e melhor informação do que em muitas histórias da arte bem mais pesadas. Trata-se de uma obra muito bem concebida, graficamente cuidada e que vai directa ao essencial; características que a tornam didacticamente irrepreensível.

A obra introduz cronologicamente os diversos movimentos na pintura — cada século é visualmente destacado por cores diferentes nas páginas — apresentados segundo uma estrutura fixa:

  1. O contexto, situando o movimento no tempo e no local em que surgiu;
  2. as suas características identificadoras, tais como técnicas utilizadas, tipo de composição e temas tratados;
  3. os artistas que fundaram e aderiram ao movimento;
  4. as obras mais representativas;
  5. reprodução e comentário de uma obra significativa e
  6. bibliografia sobre o movimento.

Em média são destinadas 4 páginas a cada movimento, embora alguns movimentos do séc. XX não cheguem sequer a ocupar uma página. É de assinalar que mais de metade da obra é destinada aos variadíssimos movimentos artísticos do séc. XX, a começar pelo expressionismo, passando por movimentos como arte bruta, Cobra, arte conceptual, graffiti art, transvanguarda, bad painting, etc., para terminar nas novas figurações. Ao contrário do que é costume, é bom verificar que nesta obra a pintura do séc. XX não termina nos anos 60 com a pop art. No final há ainda um quadro cronológico com todos os movimentos, uma pequeno glossário e um índice remissivo.

Num livro assim há sempre inclusões e omissões que são, certamente, discutíveis. Por isso os leitores mais informados irão estranhar algumas ausências de peso, principalmente em relação ao séc. XX. As próprias autoras advertem que pintores como Velázquez, Balthus e Bacon não são incluídos porque, em sua opinião, escapam a qualquer movimento. O que acontece também com artistas como Hopper e Gerhard Richter. E nomes fundamentais do século passado, como Calder o foi para a arte cinética, também não se encontram, pois o livro trata os movimentos apenas na pintura. Só que, sobretudo no séc. XX, torna-se difícil compreender satisfatoriamente os movimentos artísticos separando a pintura da escultura. Tanto que, por diversas vezes, as autoras acabam por referir alguns escultores. Assim como, em rigor, não se pode afirmar que certos artistas referidos no livro, como Beuys, Mapplethorpe e Nam June Paik, são pintores. Caracterizar os movimentos apenas na pintura parece-me, pois, uma limitação evitável. Como evitável é o destaque que as autoras dão a correntes artísticas manifestamente menores, principalmente francesas, como é o caso da Cooperativa dos Malassis, da Suportes-Superfícies e da rebuscada OuPeinPo.

Resta dizer que, numa tradução em geral boa, causa alguma perplexidade encontrar erros como ready-man em vez de ready-made (p. 178), Bronks em vez de Bronx (p. 209) ou punck no lugar de punk (p. 226). Além disso, Niki de Saint-Phalle é uma escultora e não, como se lê, um escultor.

Qualquer discussão sobre arte que não tenha em conta o que de mais importante os artistas produziram é uma discussão vazia. Este livro pode contribuir de forma eficaz para evitar esse problema em relação à pintura, destinando-se a um público bastante vasto, mas principalmente a professores e alunos de estética e filosofia da arte.

Aires Almeida
aires.almeida@netcabo.pt
Originalmente publicado na revista Livros.
[an error occurred while processing this directive] [an error occurred while processing this directive] [an error occurred while processing this directive]