Como Havemos de Viver?
2 de Abril de 2006 ⋅ Ética

O fim do capitalismo

Desidério Murcho
Como Havemos de Viver? A Ética numa Época de Individualismo, de Peter Singer
Tradução de Fátima St. Aubyn
Lisboa: Dinalivro, 2006, 424 pp.
PrefácioExcerto

Peter Singer é um dos mais destacados especialistas em ética aplicada, autor de uma vasta e respeitável bibliografia. À semelhança de Rethinking Live and Death, esta obra destina-se não tanto a especialistas, mas ao grande público. Singer pretende mostrar que uma vida conduzida segundo padrões éticos é compensadora. Dado o carácter de divulgação da obra, o autor apressa-se desde logo a desfazer equívocos que resultam de se associar a ética a um conjunto de preceitos religiosos mais ou menos sem fundamento, ou pelo menos de fundamento duvidoso. Não é disso que se trata. A ética filosófica não é constituída por um conjunto de preceitos religiosos indiscutíveis e geralmente acriticamente aceites, mas antes pela tentativa racional e crítica de estabelecer os princípios da acção correcta e da vida boa.

Este livro de Peter Singer constitui uma leitura apaixonante e informativa. A sua prosa é clara e os seus argumentos apresentam-se com o rigor claro e simples que constitui o objectivo nem sempre conseguido da filosofia analítica. A inteligência de um grande autor como Peter Singer permite ao leitor ter a sensação — sempre agradável — de ver as perplexidades e as objecções que nos vão surgindo com a leitura respondidas uma ou duas páginas à frente.

Ao longo de onze capítulos, abordam-se os vários aspectos da questão "Como havemos de viver?" Repare-se na interessante subtileza do título, que não é "Como devemos viver?" Esta opção de Singer justifica-se pelo facto de o livro não apresentar propriamente um argumento ético sobre como devemos viver, mas antes qualquer coisa como um argumento prático sobre como é mais provável que vivamos felizes. Neste sentido, Singer inscreve-se numa tradição praticamente perdida desde há 2500 anos e muito cultivada pelos gregos. Na Grécia Antiga as escolas de filosofia disputavam entre si a questão de como viver feliz. Com a tradição cristã, este tipo de questão estava, desde logo, resolvida: devíamos todos viver segundo os preceitos cristãos. Mas, hoje, altura em que o cristianismo é apenas mais uma de muitas outras religiões que defendem preceitos distintos, há outra vez lugar para discutir e apresentar propostas em torno desta questão e é isso que Peter Singer faz neste seu excelente livro. Espero que este exemplo de Peter Singer seja rapidamente seguido.

A ansiedade que algumas pessoas sentem quanto ao sentido das suas vidas não é desprezível: é uma reacção natural que as pessoas inteligentes costumam ter quando se confrontam com a sua própria vida. Mas se o argumento razoável e o pensamento claro não oferecer respostas a esta questão, as pessoas terão a tendência para acreditar (erradamente) que o pensamento disciplinado e preciso só serve para conferir o troco do jornal e para descobrir vacinas, ficando a questão do sentido da vida relegado para formas de "pensamento" (?) irracionais ou de tendência irracional.

Quando hoje em dia se fala em ética há pelo menos duas questões que surgem quase sempre e que Peter Singer aborda neste livro: a questão do fim da história e dos projectos ético-políticos e a questão da base genética da ética. É surpreendente que Singer tenha conseguido tratar temas de alguma profundidade de forma tão acessível.

O Fim da História e o Último Homem

A questão do fim da história é a seguinte: Não há hoje rivais sérios ao projecto da democracia capitalista ocidental e aos valores que lhe estão associados. Parece por isso que a história chegou ao fim, no sentido em que não haverá outro modelo de sociedade a suceder ao actual. Esta ideia foi defendida por Fukuyama e o livro onde ele o defende está publicado em Portugal (O Fim da História e o Último Homem, Gradiva). Peter Singer mostra — quanto a mim, de forma definitiva — que esta ideia está errada por uma razão fundamental: a sociedade capitalista, tal como a conhecemos, não tem futuro porque não existem recursos suficientes para a sustentar a longo prazo. O consumismo febril e irracional desempenha um papel fundamental na nossa sociedade do ponto de vista político, económico e social e sem este elemento cai por terra todo o modelo de sociedade ocidental. Singer nunca extrai uma conclusão geral dos dados e argumentos que oferece, mas a conclusão é clara: ou mudamos o modelo de sociedade que cultivamos, ou nos extinguiremos. Em qualquer caso, este modelo não subsistirá. O "fim da história" poderá ser literal e não apenas uma maneira pouco clara de dizer que o modelo de sociedade capitalista veio para ficar; pelo contrário, o modelo de sociedade capitalista veio para desaparecer por pura falta de recursos.

O Gene Egoísta, de Richard Dawkins

A questão da base biológica da moralidade foi introduzida por Richard Dawkins no livro também publicado em Portugal O Gene Egoísta. Em termos gerais, Dawkins defende que o egoísmo é um aspecto fundamental da ética humana porque foram os egoístas que mais se reproduziram. Um dos aspectos fracos desta ideia é o facto de ser incapaz de explicar a existência quase universal de religiões e de preceitos éticos em todas as sociedades humanas; outro dos pontos fracos é o facto de não ter em conta dados antropológicos quanto a alguns aspectos invariantes em todas as sociedades humanas.

Singer oferece uma explicação engenhosa para a existência de religiões, apoiando-se em parte em dados antropológicos quanto a aspectos invariantes dos preceitos éticos de várias sociedades humanas. Não vou apresentar aqui o argumento em todo o seu pormenor. Singer defende que o altruísmo é uma das características fundamentais para a nossa sobrevivência como espécie. Os membros da nossa espécie incapazes de comportamentos altruístas foram expulsos da sociedade e não sobreviveram; e se não foram expulsos, por conseguirem dissimular-se, não conseguiram deixar muita descendência, uma vez que cuidar da sua própria descendência é uma atitude altruísta. Logo, as pessoas que hoje existem são por natureza altruístas. Este aspecto do altruísmo genético poderá explicar por que razão as sociedades religiosas sobreviveram e as outras não: as religiões estimulam certos comportamentos altruístas em relação ao grupo de origem. Claro que alguns desses comportamentos altruístas em relação ao grupo são imorais e repugnantes porque significam o massacre e a guerra de terceiros (como nas cruzadas e no esclavagismo que se seguiu aos Descobrimentos); mas isso não abala o argumento de Singer — no máximo, mostra que hoje é necessário perceber que todas as pessoas (e não apenas as do nosso grupo) merecem o nosso altruísmo.

Quero destacar ainda aquele que é, talvez, o mais brilhante capítulo, intitulado "Pagar na mesma moeda". Neste capítulo, Singer mostra o verdadeiro significado ético da solução de Axelrod para o dilema do prisioneiro e a lição que dela devemos retirar. O dilema do prisioneiro é uma situação na qual se cada pessoa tiver apenas em conta os seus próprios interesses, todos ficam pior, ao passo que se todos tiverem em conta os interesses dos outros (isto é, se forem, justamente, altruístas) todos ficarão melhor.

Este livro de Peter Singer mostra o que significa governar à esquerda: significa governar em prol de todos e não apenas de alguns. Os dados que Singer apresenta dos anos Reagan são impressionantes. Pena é que não existam dados desse género em relação aos anos Cavaco Silva. Termino com um desses dados: o presidente Bush visitou Tóquio em 1992 com os presidentes da Chrysler, Ford e General Motors, procurando convencer os japoneses a baixar os seus padrões de qualidade para que os americanos conseguissem exportar carros para o Japão. Os japoneses comentaram que estes três executivos receberam em 1990 remunerações no valor de mais de 7,3 milhões de dólares, ao passo que os presidentes da Toyota, Honda e Nissan mal ganhavam um quarto desse montante. No entanto, eram os primeiros, e não os segundos, que despediam operários das suas fábricas e que não eram capazes de competir livremente no mercado por serem, pura e simplesmente, incapazes de fazer carros melhores do que os japoneses.

Desidério Murcho
Termos de utilização ⋅ Não reproduza sem citar a fonte